Térnios

Published on Jan 21, 2011 | Filed under: INSTALLATIONS |

Exhibition: Junho das Artes, 2010 / Óbidos, Portugal

Curated by Filipa Oliveira

Cobre e mangueira | copper and hose
Dimensões variáveis | variable dimensions

Most of Ricardo Jacinto’s conceptual research focuses on perception mechanisms and communication forms. Sound, sculpture and architecture are the areas he explores, by building complex installations that put into question, in physical and conceptual terms, the body relationship with space and time. Térnio is both a sculpture and a hearing mechanism, a strange mechanism with no clear function or use. The strangeness of that copper-tube body is corroborated by the piece’s title – a word made up by the artist, devoid of any logical meaning – which lends it a near-scientific seriousness.

Installed in one of the trees of Óbidos’ central square, Ricardo Jacinto’s sculpture, in spite of being made of copper, displays itself as an ephemeral contrivance. Nonetheless, and precisely because of its material, the sculpture is also evocative of an archaic device. By playing with primitive, obsolete systems of communication, this sculpture/device bases itself on a notion of the imperfectness of communication. The sculpture is a sound propagator with an input and two outputs, which invites viewers to play a two-person game. Someone speaks at one end, while at the other the two outputs (which should be used as earphones) reproduce that same sound after a varying time lapse.

Grande parte da pesquisa conceptual de Ricardo Jacinto recai sobre mecanismos de percepção e processos de comunicação. Som, escultura e arquitectura são as áreas por onde se move, construindo complexas instalações que questionam física e conceptualmente a relação do corpo com o espaço e o tempo. Térnio é uma escultura e também um mecanismo auditivo. Um instrumento estranho sem uma função ou uso claros. A estranheza daquele corpo feito de tubos de cobre é corroborada pelo título da obra – uma palavra inventada pelo artista sem qualquer significado lógico – que dotam a peça de uma seriedade quasi-cientifica.

Instalada numa das árvores da praça central de Óbidos, a escultura de Ricardo Jacinto, apesar de ser realizada em cobre, apresenta-se como um dispositivo efémero. No entanto, e precisamente devido ao material em que é construída, a escultura lembra uma invenção remota. Jogando com sistemas primários e obsoletos de comunicação, a escultura/dispositivo baseia-se numa ideia de imperfeição da comunicação. A escultura é concebida como um propagador de som com uma entrada e duas saídas de som, propondo aos espectadores um jogo para duas pessoas. Numa das extremidades alguém é convidado a falar e nas outras duas saídas (que devem ser utilizadas como auriculares) ouve-se esse mesmo som mas com diferentes tempos de chegada.

Filipa Oliveira, Junho 2010 (catalogue text)

EDP Collection